Prefeitura de Niterói dá início ao projeto executivo da ciclovia-parque da Lagoa de Itaipu

O prefeito de Niterói, Axel Grael, assinou nesta quinta (27) a ordem de início do projeto executivo da ciclovia-parque da Lagoa de Itaipu, na Região Oceânica. A ciclovia está dentro do Parque Estadual da Serra da Tiririca e abrange os limites da área úmida do entorno da Lagoa de Piratininga. O investimento nas obras de R$ 5,5 milhões.

“Ao mesmo tempo que ela vai servir para a movimentação de pessoas, também será uma via turística com várias informações de educação ambiental. Todo esse investimento vai ter como resultado uma transformação ambiental, social e urbana de toda essa região. Quando a gente falava em fazer a integração da comunidade com o Parque Orla de Piratininga, muita gente não acreditava. Semana passada fizemos o anúncio da regularização fundiária e obras de saneamento. Quando se faz um projeto como esse não estamos falando só de uma ciclovia. A área ganhou reurbanização ao longo desse trecho. Vale ressaltar que a ciclovia teve seu traçado discutido com os moradores e com o Comitê das Lagoas de Itaipu e Piratininga (Clipe) e isso foi fundamental para que a gente tivesse o projeto próximo da expectativa das pessoas Quanto mais participação, mais perto do projeto ideal vamos ficar”, afirmou o prefeito.

A coordenadora do PRO Sustentável, Dionê Marinho, lembra que a ciclovia começa em Camboinhas, circunda toda a lagoa e, no bairro Boavista, se interliga com outro ramal do sistema cicloviário.

“É uma ciclovia-parque porque passa por dentro de área de preservação. Em vários trechos ela vai ser aérea, com passarelas de madeira, e vai passar pelo fundo das residências da região. A ciclovia vai funcionar como um limitador da área ocupada e a área úmida necessária de proteção da Lagoa. Vale ressaltar que no projeto contemplamos 85% das reivindicações feitas pela comunidade. O que a gente não conseguiu fazer demos a devolutiva explicando o motivo”, detalhou.

De acordo com o coordenador do Programa Niterói de Bicicleta, Filipe Simões, a ciclovia-parque da Lagoa de Itaipu será a última etapa da rota translagunar.

“Será possível ir do túnel Charitas-Cafuba até as praias de Itaipu e Itacoatiara através das lagoas em um cenário de imenso valor paisagístico aliando preservação ambiental, mobilidade e desenvolvimento através do turismo sustentável. Niterói ganhará muito com esse projeto que é fruto da colaboração de diversos atores da sociedade”, afirmou.

Sistema cicloviário

O sistema cicloviário da Região Oceânica começou com a implantação de ciclovias na Praia de Piratininga, pelas avenidas Almirante Tamandaré e Dr. Acúrcio Torres e avança pelo Parque Orla Piratininga e na Avenida Irene Lopes Sodré. A malha cicloviária da região se integra à das praias da Baía pelas ciclovias do Túnel Charitas-Cafubá. 

O objetivo da Prefeitura é chegar aos 120 quilômetros de infraestrutura cicloviária em Niterói até 2024. Atualmente, a cidade conta com mais de 60 quilômetros de malha cicloviária, que contemplam áreas nos seguintes bairros: Centro, São Lourenço, Barreto, Santana, Fonseca, São Domingos, Boa Viagem, Gragoatá, Ingá, Icaraí, São Francisco, Charitas, Cafubá, Badu, Piratininga, Engenho do Mato, Camboinhas, Itaipu e Itacoatiara.

O Plano Niterói 450 anos, lançado este ano pela Prefeitura, prevê ações de ampliação e requalificação da infraestrutura cicloviária na cidade. O programa lançado pelo Município prevê, também, o aumento de 113% do número de vagas disponíveis no Bicicletário Arariboia. Além disso, a Prefeitura de Niterói estuda a implantação de um sistema de compartilhamento de bicicletas com 40 estações e 400 bicicletas nos bairros do Centro, São Lourenço, Fonseca, Icaraí, Santa Rosa, Ingá, São Domingos e Gragoatá.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo